quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A doce visão da ilusão

          "O mundo é um cavalo e o cabresto é dinheiro". (José Costa Matos em "O Rio Subterrâneo") 

         Um amigo, que é médico e se diz "de esquerda", ainda nada falou sobre a presença, em território nacional, da blogueira cubana Yoani Sánchez. Nem ele nem outros que também se dizem "de esquerda", certos articulistas de jornal, professores, outros médicos, e muito menos certos artistas. A jovem, conhecida há tempos por ser sistematicamente perseguida pelo regime dos Castro na ilhota de Cuba por ser contra ele, está aí. Veio fazer não sei quê. 
          É uma pessoa simples que aspira – não respira – liberdade. Liberdade de falar, de reclamar, de expressar o que pensa sobre o governo de seu país é tudo que a impulsiona. A revista Veja, que nossos comunistas e petistas detestam e que dizem-na "mentirosa", traz essa semana matéria dando conta da confecção, por parte da embaixada cubana em Brasília, de um "dossiê" sobre a moça. Nele ela tornou-se instrumento da CIA contra o regime cubano, além de outras sandices próprias dos idiotas de lá. (Os daqui concordaram prontamente.) Diz também a matéria que o embaixador cubano convocou a reunir-se com ele pessoas da "esquerda" brasileira de dentro e de fora do governo a fim de divulgar o tal "dossiê" e solicitar empenho em sua divulgação durante o tempo em que ela aqui permanecer. E mais. Queria que esse povo acompanhasse seus passos. Uns sim, outros não, assentiram. A soberania do país ficou, assim, submissa ao que quer o regime de Cuba.
          Eis que hoje a imprensa divulga reportagem que mostra sessões de hostilização a que a jovem dissidente tem sido submetida em território nacional. O mais impressionante, e que também me pareceu "vazar" na reportagem, é a ingenuidade da jovem, que afirma ter-se apaixonado pelo Brasil por causa da liberdade que se respira por aqui. Mal sabe ela o que ainda se planeja nos bastidores do  governo, evidenciado por inúmeros fatos recentes e pretéritos, alguns ainda e em pleno curso, sob a ignorância e o hedonismo dos habitantes da nação: - a tentativa de amordaçar a imprensa e o Ministério Público. 
          Suspeito que os monstros cubanos só permitiram a viagem da jovem a fim de, eles próprios, colherem seus dividendos ideológicos. O Brasil é um país sem identidade onde a única identidade que tem força é o dinheiro, o que pôs em evidência duas de nossas idiossincrasias: a primeira é que nossa "direita" é por demais gananciosa, corrupta e exploradora; a segunda é que nossa "esquerda" é bem pior. Como temos uma "dívida histórica" com nossos explorados, expropriados e excluídos, criada por cinco séculos de dominação da burguesia, estamos experimentando o que já se mostrou ser ruim noutras paragens. Todos sabem: - o que é bom noutros lugares, torna-se ruim por aqui; e o que é ruim, torna-se ainda pior. 
          Assim, a pobre blogueira, de tão pouca liberdade que tem – de fato não existe pouca ou muita liberdade; ou se a tem ou não –, ficou extasiada com a nossa. (Não se sabe por quanto tempo ainda a teremos.) 
          Para os que odeiam Veja, nada disso prova o que o periódico divulgara. Essas pessoas que estão a seguir e apupar a cubana em território brasileiro, portando cartazes anti-Sánchez e gritando palavras de ordem por onde ela passa, não têm o que fazer e estão ali porque estão convictas de que a moça é um mal a ser evitado. Brasília nada tem a ver com isso. São patriotas a serviço de si mesmos que vêem nela uma ameaça ao nosso "regime". 
          O diabo é que estou a esperar, na rede social, algum amigo "de esquerda" que atire uma pedra virtual à Yoani. Nenhum deles se prontificou, até agora. O pior é que, se alguém o fizesse, eu não teria a coragem de lhe acusar a idiotice e o ridículo. Não teria pelo seguinte: - pra quê? Cada pessoa em fase de transmutação e mudança vê o que tem necessidade, como se o que visse fosse uma espécie de alimento a nutrir o novo ser que surgirá.
          Por isso é possível, sim, que se mude para pior. Nem tudo é evolução. De fato, tudo é involução.  E ela se inicia justamente aí, nas idéias.