quinta-feira, 14 de junho de 2012

Merde jolie


Amorim a conheceu n'algum desses lugares de relacionamento virtual. Lá se exibem fotografias em ângulos convenientes e résumés suspeitos. Em tese. Nenhuma suposição pode ser estendida a tudo e a todos de modo a que não haja exceções. No caso daquela pequena havia a suspeita de se tratar de um desvio da regra.
Era belíssima; magra, fausse maigre, uma magreza repleta de músculos femininos a tornear a pele alva e sedosa, cuja penugem delicada e dourada realçava sua brancura estonteante. Tudo nela era fibonácico, em proporções perfeitas e meticulosas. Era esguia de alto a baixo. O rosto desenhava-se por traços fortes: a linha de implantação dos cabelos tornava a fronte, quase quadrilátera e plana, suave e harmônica; lábios carnudos e pletóricos encimavam o conjunto triangular da parte inferior da face; ao se abrirem os lábios, lindos dentes palidamente amarelos e fortes se deixavam ver em sorrisos abertos e francos, cheios de vitalidade e força; o nariz adunco sobre aquela coleção de perfeitas e nobres estruturas arrematava a composição daquele viságe venusiano.  Os cabelos loiros ela os tinha em quantidade e tamanho, semiondulados e repartidos em duas metades iguais ao alto da cabeça.
Tudo isso ele pôde apreciar nas fotografias que ela mesma se permitiu expor. Seria impossível imaginar que tamanha beleza virtual não se confirmasse na realidade da vida.
Dali a poucos dias ele o confirmou: era, de fato, uma linda mulher.

Ela escrevera no item "Procuro" o seguinte: "cuidados..." Assim mesmo, sucintamente e reticentemente. Amorim se perguntava o que seria que viria após as reticências hesitantes e incertas. Deixou-lhe uma mensagem bem a propósito; escreveu: "eu cuido", e completou com as mesmas e lucubratórias reticências. Dias depois veio a resposta da pequena. Respondeu com uma pergunta; queria saber: "julga-se capaz?" Acordaram um encontro não sei onde, e conversaram um pouco, não muito. Amorim saiu com a leve mas nítida impressão de que ela não se agradara de sua pessoa. Fosse porque fosse um homem um pouco mais baixo que ela, fosse porque a conversa não se prolongasse o bastante, o fato é que sentiu mau presságio. Um detalhe teria lhe chamado a atenção – ela fizera questão de tentar intimidá-lo e constrangê-lo de alguma forma, usando para tal a pilhéria desarrazoada e imprópria entre quase desconhecidos. Tentando sempre demonstrar simpatia e desprendimento acabou por lhe deixar a certeza de sua inconveniência e destempero. Em suma, Amorim de lá saiu sentindo sutil desconforto. Se a pequena sentia o mesmo em relação a ele, jamais o saberá.
Não se sentia frustrado pelas óbvias razões da conquista possivelmente malograda, nem por uma suposta rejeição. O que o incomodava era a percepção de um sentimento de enorme esforço para lavar a cabo uma mera conversação. Com efeito, havia ali algo inusitado. Em que pesasse a formosura, algo nela lhe desagradava imensamente. Ele sentia como se lhe tivesse deitado um peso às costas, talvez ela própria, caso viessem ao flerte ou à amizade. Ele, um sujeito de têmpera leve e alvissareira, iniciava a sentir n’alma algo de repugnante sobre aquela jovem e bela mulher. Perguntava-se o que seria, e nem de longe atinava.

O que começou mal piorou ainda mais em poucos dias. A má impressão de Amorim sobre suas inconvenientes colocações e chistes só crescia. Ele passou a confrontá-la com seu mesmo tipo de facécia, o que acabou por demonstrar que para ela havia apenas uma via para as chacotas de mau gosto – de lá para cá. Ela tinha permissão a dizer o que quisesse e bem entendesse; ele não. Se o fizesse ela o repreendia acusando-o de indelicado e grosseiro, sem se aperceber de suas próprias e primevas impudicícias e negligências.  
Sobre nada substancial conversaram. Nenhum assunto agradável houve entre eles e era precisamente isso o que o incomodava cada vez mais. Nunca se habituara a amizades sem conteúdo. Com ela havia sempre uma farpa escondida sob o falso sorriso, sob a falsa pilhéria, sob o falso prazer do encontro fortuito. Perguntava-se por que cargas d'água ela ainda lhe dirigia a palavra. O jovem se sentia descaracterizar. Dizia o que não queria por ouvir o que não gostava. Sentia-se uma carta em seu baralho fútil e maçante. Queria fugir, nunca mais lhe falar, nunca mais vê-la.

Queria dela sumir. Quem dá importância ao que pensam os outros? Os muito jovens, os muito verdes; não ele. A ela, principalmente a ela, permitiria pensar o que bem entendesse. A pequena gastava seu tempo a tentar lhe passar uma mensagem misteriosa sobre si mesma: -"Sou diferente de tudo o que você já viu na vida!" E cobria-se, durante o pouco que conversavam, em manto negro e impenetrável. De si nada falava, nenhuma emoção exprimia, e na única vez que o fez pareceu a Amorim que se tratava de um desdém, mais um. Gastava esse pouco tempo em risotas e quebra-cabeças infantiloides, destinados a lhe passar a idéia de pessoa fleumática e segura. Mal sabia ela que a atitude surtia no espírito do rapaz o efeito oposto. Para ele, entre outras pretensões, ela estava a testá-lo, e de alguma forma sentia que ela de tudo fazia para aborrecê-lo na intenção de experimentar sua tolerância. Pior: tudo sem a menor razão, sem o mínimo e razoável propósito. A superficialidade que ela impunha seria sua proteção ou desgraçadamente a sua essência. Prolongando-a sempre só o levava a pensar na segunda hipótese. 

Um dia, dali a pouco, como no romance de Wilde, aquela bela pintura de carne e suas linhas harmoniosas, em sua mente e a seus olhos, se entrecortavam entre si como garatujas hediondas que agora desenhavam uma caricatura brutal. Basil Hallward odiaria tingir semelhante criatura sobre seu écran como o fez, o coração repleto de paixão e alegria, com Dorian Gray. Celeremente sua imagem se tornava grotesca e bruxuleante e, como na pintura de Hallward, degenerava e se decompunha como um cadáver velho e monstruoso, a acompanhar o decaimento das potenciais virtudes e traços de caráter do indivíduo real.
Na tela mental do rapaz tudo se esvaiu, enquanto os ventos de seu autêntico espírito lhe tangiam os pensamentos...