quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Inviabilidade de palavras


          Eu queria escrever, mas não posso, não consigo. Queria dizer o que faz meu coração se irar, mas não acho as palavras. Queria dizer da frustração das palavras, quando o diálogo se mostra impossível. Queria externar a vontade do silêncio que fala mais alto que qualquer grito de socorro. 
          Engulo as letras, engulo as frases, vão-se os pontos de exclamação. As interrogações são desnecessárias, e as vírgulas mal se comportam. Uma angústia desnecessária se achega; espanto-a para a lonjura do mar, pra lá da linha do horizonte onde eu não a possa ver, numa noite de lua minguante máxima e céu nublado. 
          A percepção da necessidade de um grito em si já é uma angústia, posto que só o que nos sufoca nos impele ao grito. E se o que nos sufoca são as palavras que não se nos ouvem, de que me serve o maldito grito? O que os ouvidos não recebem de bom grado o coração rejeita feliz. Se as palavras nos sufocam, nos engasgam e impedem a comunicação, que nos resta? a não ser o silêncio de nossa indignação? 
          Quando as palavras são inviáveis, que nos resta?