quinta-feira, 8 de março de 2012

Mulher

          No primeiro livro das Sagradas Escrituras – Gênesis –, logo ao seu início, descreve-se a criação do homem. Ao capítulo 1 seu Autor diz: "Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou." (verso 27) Aos que propagam que o Autor do homem não tem face nem imagem, há razão a que um mortal Lhe retruque? Chama-se a isso ignorância autoimposta. 
          Ao capítulo 2 o Autor dá detalhes dessa criação: "Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente." (verso 7) Após isso, o homem é orientado quanto ao seu alimento e quanto aos cuidados com o jardim. Depois o Senhor lhe trouxe todos os animais para que lhes desse nomes. 
          Depois o Senhor observou que "não é bom que o homem esteja só" e concluiu: " Far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea".
          Eis, então, que o Autor da mulher nos ensina como a construiu, como a fez, de onde a formou: "Então, o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne. E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe." (versos 21 e 22).  
          O texto Sagrado é conciso, nada prolixo. As conclusões são óbvias na medida em que outras não são possíveis. 
          Se o Senhor diz que a auxiliadora do homem precisa ser idônea, basta irmos ao pai dos burros para saber o que Ele quis dizer. Lá está escrito sobre "idôneo": aquilo que é considerado técnica e moralmente apto a ocupar um cargo ou a exercer determinada função. Assim, a mulher foi criada para estar à altura do homem e que o homem então formado era um ser moralmente elevado e perfeito. Conclusão: o Senhor criou homem e mulher então moralmente perfeitos, irrepreensíveis e iguais. O fato de a mulher ter sido criada após a criação do homem não a diminui. 
          Mais. A mulher foi criada do pó, posto que retirada do homem que foi, também, formado do pó da terra. O Senhor poderia tê-la formado a partir do pó retirado diretamente da terra, mas não o fez. Por quê? Ali estava selado o destino de ambos, num casamento eterno, como "uma só carne". Esse foi o propósito do Senhor: uni-los eternamente. Duas "almas viventes" indissoluvelmente unidas.
          Poderia também o Senhor ter trazido Seu Filho ao mundo "formando-o" do pó da terra, mas ainda não o fez. Por quê? Para ratificar a elevada posição da mulher em Seus desígnios, mostrando estar ela à altura do homem e do plano da Redenção. 
          A todas as mulheres o respeito que lhes é devido.