sábado, 28 de abril de 2012

Canalhas e canalhices


Até agora nada vi na imprensa escrita sobre o caso do desaparecimento da professora. O jornal que ontem dizia estar acompanhando o caso parece o ter abandonado. Deve saber de algo que desqualifica a potencial matéria. Seria provável que o suposto desaparecimento fosse desmascarado por um evento corriqueiro, como se a professora tivesse resolvido se esconder de alguém numa pousada ou hotel. Quem sabe quis dar um susto no noivo safado e mulherengo? Afinal foi ele quem denunciou seu “desaparecimento” à delegacia. De concreto, nada. Nenhuma palavra. O jornal e seu portal calam-se solenemente. Para um noticioso que afirmava estar de olho no caso é um péssimo exemplo.
            Observe-se outro dado que salta aos olhos em nossos periódicos. Eles estão a se parecer mais com livretos de lojas e magazines – estão repletos de propaganda de bens de consumo. E o que mais anunciam são os carros de luxo. Mas, na verdade, anunciam de tudo, de lençóis a caminhões. Ganham um dinheirinho aí. Além disso, salta aos olhos a nojenta, persistente e insistente propaganda oficial. O governo do estado e a prefeitura de Fortaleza estampam, todos os dias sem dó nem piedade, seus fantasiosos feitos e realizações. Dirá alguém que estou a exagerar, que de fato lá estão os postos de saúde, os hospitais, as escolas. E direi que de nada adiantam postos de saúde que não têm remédios, hospitais que não atendem à demanda de guerra e escolas que não educam. Ademais, aqui entre nós, governos servem a isso mesmo. Não fazem mais que sua obrigação, e mais – fazem infinitamente menos do que se espera deles. Isso sem falar que fazem o que não deviam, como funcionar de “fiadores” a funcionários públicos que tomam empréstimos a empresas que tem relações imorais com gente do centro do poder. Conclusão: a irritante propaganda “oficial” é um pé no saco do já combalido cidadão de bem, e uma afronta à inteligência dos esclarecidos.
            Mas há exceções nas fajutices da imprensa escrita. Além de uns poucos corajosos e sérios jornalistas, uns poucos colaboradores valem a pena se ler. Vejam, por exemplo, no jornal o Povo de hoje, o artigo do médico e professor Antonio Mourão Cavalcante intitulado “Consignados para quem” (http://www.opovo.com.br/app/opovo/opiniao/2012/04/28/noticiasjornalopiniao,2829380/consignados-para-quem.shtml). Lá ele faz uma corajosa crítica reprovativa àquela história do governo do estado do Ceará oferecer empréstimos consignados a funcionários públicos. Uma crítica direta, ácida, corrosiva, indignada. Mais – sugere a participação dos “homens de cima” na mutreta, e fuzila: “Como acreditar na bondade do governo? Prefiro imaginar os conchavos de bastidores, as falcatruas cobertas ou descobertas...” De fato, tudo foi descoberto, os conchavos e as falcatruas e, diga-se de passagem, a que não falem que não dou a César o que é de César, a imprensa teve papel fundamental na divulgação desse material. Numa reflexão mais alargada, poderíamos dizer que o resto deveria ser feito pela sociedade, numa resposta veemente às urnas nas próximas eleições aos indicados e apadrinhados por essa gente, o que não acontecerá, infelizmente. O povo é canalha – me refiro às gentes, não ao jornal – e canalha não se importa com canalhices.
            Para encerrar venho declarar em alto e bom som: o senador Inácio Arruda foi finalmente “lançado” candidato do PC do B à prefeitura de Fortaleza (http://www.opovo.com.br/app/opovo/politica/2012/04/28/noticiasjornalpolitica,2829306/jantar-vira-evento-para-lancar-nome-de-inacio-a-prefeitura.shtml). Parece que eu estava certo ao criticar seu artigo de jornal no post “Análise do discurso?” (http://umhomemdescarrado.blogspot.com.br/2012/04/analise-do-discurso.html). E quem estava presente ao jantar do lançamento da candidatura era o deputado federal Artur Bruno do PT, ele próprio pré-candidato ao mesmo cargo. Vejam, como se diz, que está tudo dominado. Trocando um pelo outro devolvo ambos e nem quero o troco. Haverá alguém diferente nesse meio? É que me pergunto.