sábado, 20 de agosto de 2011

"Posconceito" sobre um certo preconceito

Aquele que escreve não tem mais com o que se preocupar. Como parte da crescente idéia de que não há o mal, não há também o erro. Sim, não há mais distinção entre certo e errado. Como não mais existe o erro, não mais faz sentido falar que algo seja ou esteja “errado”. Portanto, falemos como quisermos, escrevamos como quisermos. Se disser ou escrever “havia menas gente no restaurante”, não se constatará aqui um erro – será uma “variação” lingüística.
            Há certo professor na Universidade de Brasília, “intelectual” dado ao estudo da língua, autor de livros, trabalhos e teses, tradutor, e tantas outras qualificações acadêmicas, e que se chama Marcos Bagno, que é um dos propagadores e criadores do conceito de “variação” lingüística.
Dentre os livros que escreveu está um intitulado “Preconceito Lingüístico”. Certamente não o li e seguramente jamais o farei. Seu conteúdo foi resumido numa reportagem na revista Carta Capital, sendo o bastante para denunciar sua natureza... – (procuro um adjetivo que melhor o qualifique, mas suspeito que um só não fosse o bastante).
Vil. Sim, o adjetivo vil vem bem a contemplar o que representa esse disparate literário. Porque o ex-presidente apedeuta assassinava a norma culta diariamente, o senhor Bagno sai de lá com a “estória” de que as elites, a classe dominante, os reacionários, os capitalistas, em suma, todos os exploradores do homem usam a língua – entenda-se a norma culta – para oprimir, para excluir, para segregar. E conclui: o que se diz “errado” no que tange a escrita e a língua falada não é errado; é uma “variação” lingüística. “Havia menas gente no restaurante” não é um estupro da norma culta; é apenas uma “variação”, e tentar corrigir seria evidência de “preconceito lingüístico”. Não se surpreendam se em breve alguém sugerir a criminalização de tal “preconceito” e propor uma pena de, digamos, 5 anos de reclusão ao professor de português que, na prova, considerar errada tal construção. Para cada imputação de erro, 5 anos no xadrez.    
            Outro dia o meu amigo Ciro Ciarlini me repreendeu. Disse: -“Tens de ler outros semanários!” E tudo isso porque eu era, àquele tempo, assinante da revista Veja. Não sabia ele que eu era assinante de outras. Ora, todas essas publicações, ou qualquer outra fonte, devem ser lidas com senso crítico. Já pude surpreender os repórteres de Veja escreverem asneiras monstruosas.
            Depois da reportagem de Carta Capital com o senhor Bagno, veio Veja com uma entrevista com o senhor Evanildo Bechara. E o que disse o senhor Bechara a Veja sobre as tais “variações” lingüísticas poderia muito bem ter dito a Carta Capital. E disse o sensato, o óbvio, o que qualquer mente desgarrada de amarras ideológicas diria: a norma culta não está sujeita a arroubos de esquerda ou de direita. Que existem as variações lingüísticas – vejam os romances do grande Guimarães Rosa – não se discute. O que se discute e se teme é a tentativa de ideologizar o tema.
            Seria engraçado se esse tipo de gente resolvesse fazer o mesmo com a matemática. Imaginem – criar-se-iam a “variação matemática” e o “preconceito matemático”. E talvez quisessem ir mais longe e ideologizar a física, a química, a biologia...
            Agora, me perco a pensar o que têm de diferente Veja e Carta Capital. Não muito, é provável. Talvez a diferença esteja na evidente tentativa de uma de participar da aspersão do conceito de que não há o mal nem o erro, enquanto a outra ainda se preserva o direito de denunciá-la.